CIÊNCIA DAS EMOÇÕES RESULTA EM INTELIGÊNCIA EMOCIONAL

Ciência das emoções

Ciência comprova a importância das emoções.

As emoções são indispensáveis para uma vida de bem-estar, como os cientistas vieram a descobrir ao longo do tempo.

Muito embora sejamos seres racionais e emocionais, foi somente em 1945 que John Bowlby, psicanalista britânico e especialista em psiquiatria infantil, também criador da Teoria do Apego (TA) convenceu os médicos que a afetividade era tão importante para os órfãos como a comida.

Diante de suas pesquisas, ele descobriu que sem um vínculo afetivo, as crianças sentiam-se inseguras e apresentavam dificuldade em se desenvolver.

Ciência das Emoções

Até pouco tempo o mundo acadêmico também considerou as emoções desprezíveis já que não era possível tornar tangível nossa vida emocional.

Diferente do QI (Quociente Intelectual), que podia ser medido, o QE (Quociente Emocional) era algo subjetivo.

Além disso, desconhecíamos a extensão da influência das emoções nas nossas vidas, carreiras ou negócios.

Com o avanço da neurociência, principalmente, com o conceito dos hemisférios direito e esquerdo do cérebro que rendeu ao seu descobridor, Roger Sperry o Prêmio Nobel em 1981, a ciência entendeu a importância das emoções.

Assim, pesquisadores como o pioneiro Prof. Peter Salovey e posteriormente, o professor, jornalista e cientista Daniel Goleman, trataram de aprofundar no assunto. Tais estudos resultaram na teoria da Inteligência Emocional , que seria o realinhamento da razão e emoção.

Dessa forma, em 1990 a ciência moderna aceitou inteiramente a influência e a realidade da emoção.

Psicologia Positiva

Infelizmente ainda de forma equivocada, as emoções positivas são vistas ainda como utópicas e a romantização da vida e do trabalho.

Entretanto, o emergente e crescente campo da Psicologia Positiva tem derrubado esse mito continuamente. Seus estudos demonstram e comprovam que  vivenciar as emoções positivas como gratidão, perdão, esperança, otimismo, são indispensáveis para o desenvolvimento e a prosperidade.

Surge daí a necessidade de equilíbrio entre a razão e a emoção, afinal o lado esquerdo e direito do cérebro podem muito bem trabalhar juntos.

Além disso, emoção é conexão com o outro, seja ele filho, amigo, pai, mãe, cliente, fornecedor.

Finalmente, as emoções (principalmente as positivas), nos ajudam a entender e viver o mundo em vez de simplesmente sobreviver a ele.

Artigo escrito com a colaboração da Profa. Dra. Yeda Oswaldo

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *