SEQUESTROS EMOCIONAIS: QUANDO PERDEMOS A RAZÃO

Sequestros Emocionais

Quanto mais usamos a baixa e antiga capacidade de processamento do cérebro, maior a tendência de agirmos por impulso. E quando agimos impulsivamente, não pensamos, somos reativos.

Certamente isso é bom, às vezes. Principalmente se dessa reação depende nossa sobrevivência.  É o caso de desviar-se de um objeto que está prestes a cair na sua cabeça, fugir de um animal feroz e faminto ou salvar uma criança que está se afogando na piscina.  Mas já não é o caso de uma pequena discussão onde um dos envolvidos reage com agressões verbais ou físicas.  Ou o caso de seu filhinho derramar um pouco de café na sua blusa de manhã e você reagir furiosamente.

Entretanto, quando não temos consciência disso, das menores às maiores situações, nossas emoções primitivas como a raiva e o medo correm como um trem desgovernado e agimos por impulso.

Nesse sentido, os impulsos também são conhecidos como sequestros da amígdala, detonadores das emoções, sequestros neurais ou sequestros emocionais. Ocorrem quando explodimos com alguém ou até mesmo damos risadas escandalosas. Nossa reação é desproporcional ao fato. Perdemos a nossa razão.

Como Funciona o Sequestro Emocional

Segundo o psicólogo e PhD. Daniel Goleman, é quando nossa mente emocional proclama uma urgência e recruta todo o restante do cérebro para seu plano de emergência. Ele entende um sinal de perigo e paramos de raciocinar, ficamos alertas e sequestrados pelas nossas amígdalas cerebrais. Fisiologicamente falando, elas dois pequenos órgãos localizados em nossa mente emocional e que são responsáveis pelas emoções básicas e pelo nosso instinto de sobrevivência.

Uma vez que o sequestro emocional é muito rápido e ocorre em milésimos de segundos, o neocórtex (cérebro pensante), responsável pelo pensamento lógico e o planejamento de nossas ações não tem tempo para raciocinar e avaliar se nossa atitude é uma boa ou má ideia.

Somos impulsionados a agir pelo cérebro emocional e na maioria das vezes, nos arrependemos depois pois mínimas coisas são capazes de nos fazer “perder a cabeça”…

Detonadores das Emoções

Em resumo, o problema é que situações pequenas também podem ser detonadoras das emoções desgovernadas. Pode ser um motorista que corta nossa frente no trânsito, uma pessoa que fala alto perto de nós, um colaborador que burla as regras da empresa, um adolescente abusado ou um vizinho desrespeitoso. São circunstâncias provocam um verdadeiro maremoto emocional e causam grandes prejuízos para todos os envolvidos.        

Por isso é importante saber que não precisamos ser reféns desse sequestro emocional pela vida toda. Com Inteligência Emocional plenamente desenvolvida é possível libertar-nos dessas explosões emocionais para vivermos de forma mais saudável e produtiva.


Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

X