VIDA SEM CHEFE: HABILIDADES PARA A AUTOGESTÃO

vida sem chefe

A vida sem chefe dentro das organizações.

Na autogestão, sem a figura tradicional da chefia, o desenho organizacional é mais horizontal do que vertical. É uma cultura diferente de uma organização tradicional. Logo, essa visão contrapõe a microgestão  – na qual o chefe supervisiona e controla o trabalho e a tomada de decisão do colaborador (até mais que o necessário).

O lado maravilhoso de tudo isso é que cada um pode fazer sua própria luz brilhar, sem depender de jogos de poder ou boa vontade alheia.

De fato, as pessoas buscam serem as protagonistas da sua própria história em detrimento do conforto da vitimização corporativa.

Entretanto, a vida sem chefe, seja dentro ou fora das organizações, é um grande desafio, por isso é preciso desenvolver habilidades essenciais.

Habilidades para a Autogestão

Se por um lado a autogestão oferece vantagens como autonomia e liberdade ao profissional, por outro, ele deve corresponder no mesmo nível de responsabilidade e resultados.

São dois lados da mesma moeda, caso contrário, como em qualquer relacionamento, não existirá “match” entre o colaborador e a organização.

Por isso, cada pessoa inserida em uma organização que adota a autogestão precisa de algumas habilidades (com o prefixo “auto”) desenvolvidas. Citem-se algumas:

  1. Autoadaptação: harmonizar-se com o DNA, a cultura, missão, visão, valores e crenças da organização.
  2. Autorresponsabilidade: saber exatamente o que se espera e qual o impacto do seu papel na estrutura organizacional. Responsabilizar-se pelas suas escolhas, decisões, ações e entregas.
  3. Autoconhecimento: conhecer seus pontos fortes e limitantes e quanto eles estão aderentes ou não ao seu papel na organização. Se necessário, trabalhar com eles
  4. Autodesenvolvimento: assumir o protagonismo pelo seu desenvolvimento, estudos, conhecimentos, habilidades e carreira.
  5. Autodisciplina e autocontrole: ser disciplinado e focado, criar planos de ações para atingir objetivos, metas e resultados.

Por fim, a vida sem chefe nas organizações é possível, desde que o profissional esteja alinhado com a cultura da autogestão e tenha as habilidades necessárias para se autogerenciar.

Artigo desenvolvido em parceria com a Profa. Ma. Elaine Dias

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *