5 CARACTERÍSTICAS DE PESSOAS COM INTELIGÊNCIA EMOCIONAL

Quais são as 5 características das pessoas com Inteligência Emocional?

Em seus anos de pesquisas, o psicólogo e PhD. Daniel Goleman, da Universidade de Harvard, identificou que os profissionais eficazes e com desempenhos acima da média, são aqueles que possuem alto nível de uma habilidade identificada como inteligência emocional (IE).

O mais curioso é que a inteligência acadêmica pouco tem a ver com a vida emocional. Pessoas brilhantes, com alto grau de inteligência intelectual (Quociente Intelectual) podem ter impulsos desgovernados e afundar-se no descontrole de suas próprias emoções.

Analogamente, estudos recorrentes comprovam que a inteligência emocional pode ser tão poderosa – e às vezes mais – que o quociente intelectual.

Ainda segundo Goleman, para exercer algumas profissões como medicina, física, química, matemática é necessário ter Inteligência Intelectual (de 90 a 100 pontos).

Mas se o nível de Inteligência Emocional não for elevado, esses profissionais terão desempenho ruim ou mediano ao longo das suas vidas, podendo fracassar em suas profissões.

A IE é fundamental para ter sucesso na vida. Quanto maior o cargo e as responsabilidades, mais dependemos da nossa inteligência emocional para sermos bem sucedidos.

Afinal, o que é  Inteligência Emocional (IE)?

Resumidamente, a IE é a capacidade de sentir, entender, regular e aplicar eficazmente o poder e a perspicácia das emoções. Isso inclui todas elas, das básicas às sociais

Outrossim, a IE não é somente ter autocontrole sobre as emoções, ser amável ou se dar bem com os outros. Quando apresentamos inteligência emocional somos capazes de entender nossa própria constituição emocional e as das outras pessoas.

Também para Goleman, a IE é um tipo de inteligência adaptativa, relacionada à nossa capacidade de avaliar ou reconhecer a situação em que nos encontramos. Com isso, conseguimos agir sabiamente e de maneira adequada diante do contexto em que estamos inseridos.

5 Características de Pessoas com Alta Inteligência Emocional (IE)

Segundo o Modelo de Inteligência Emocional de Daniel Goleman, as pessoas emocionalmente inteligentes apresentam 5 características recorrentes divididas em dois grupos de  habilidades: intra e interpessoais.

É o que veremos a seguir.

Habilidades Intrapessoais

Inicialmente, esse conjunto de habilidades diz respeito ao quanto conhecemos verdadeiramente a nós mesmos e como podemos usar esse conhecimento para agirmos de forma eficaz na vida.

Assim, pessoas com habilidades intrapessoais possuem três competências, a saber:

1) Autoconhecimento: reconhecem suas emoções e sentimentos enquanto eles ocorrem e sabem lidar com eles. São confiantes, possuem sentido de humor  e conscientes da impressão que causam aos outros.

2) Autorregulação: adiam gratificações  e prazeres imediatos para atingir seus objetivos. Possuem  a habilidade de confortar-se, livrar-se da ansiedade, tristeza, medo, raiva ou irritabilidade incapacitantes.

3) Automotivação: possuem motivação interna, têm iniciativa e são perseverantes. Iniciam e terminam tarefas e projetos. Colocam as emoções a serviço de uma meta.

Habilidades Interpessoais

É o conjunto de habilidades de pessoas que sabem lidar de forma eficaz com os outros. Elas conhecem o que os motivam, como trabalham, agem de forma cooperadora com eles, assim como obtêm cooperação.

Assim, pessoas com habilidades interpessoais apresentam as seguintes capacidades

4) Empatia: são empáticos, colocam-se no lugar dos outros. Estão sintonizados com os sutis sinais sociais que indicam o que os outros precisam ou querem.

5) Lidam com relacionamentos:  possuem bons relacionamentos interpessoais, são persuasivos e influentes. São populares, geralmente assumem a liderança e sabem administrar conflitos.

Para se ter uma ideia, de tão importante para a autorrealização e sucesso, em todas os nossos cursos trabalhamos com estratégias para desenvolver a IE dos participantes – de analistas a diretores de empresas.

Mas atenção: para ser considerado inteligente emocionalmente, é preciso ter todas as habilidades desenvolvidas, é a soma do conjunto que nos confere essa capacidade tão singular!

Em contrapartida, se por um lado temos a inteligência emocional, por outro temos o analfabetismo emocional. Conheça o alto preço a se pagar por isso.

O Preço do Analfabetismo Emocional

Em princípio, os pais, professores, escolas e universidades que estão mais preocupados com o desenvolvimento da racionalidade do que com a inteligência emocional, o bem-estar, a felicidade ou a autorrealização dos alunos, estão claramente contribuindo para o analfabetismo emocional.

Consequentemente, esses mesmos jovens que depois vão para o mercado de trabalho e se deparam com uma série de situações para os quais não foram preparados, tornam-se adultos ansiosos, deprimidos, frustrados e/ou medrosos.

Não sabem  lidar com situações adversas como conflitos interpessoais, pressões, fracassos, competição ou injustiça.

O resultado é que tornam-se vulneráveis às situações da vida, alguns ficam agressivos, outros passivos demais.

Portanto, o ideal é que a Inteligência Emocional fosse ensinada desde a infância.

Mas é impossível desenvolver a IE nas crianças e adolescentes, sendo eles alunos, filhos, sobrinhos se você não tem a sua própria Inteligência Emocional plenamente desenvolvida.

O mais importante nesse momento é que você saiba que a IE uma habilidade que pode ser aprendida, e quanto mais cedo, melhor!

Salvar Salvar Salvar Salvar Salvar

X